A rede social afeta a qualidade de sono, altera a perceção de imagem corporal e aumenta a ansiedade.

Um ranking que investiga os efeitos das redes sociais na saúde mental dos mais jovens apontou que o Instagram como a rede social mais prejudicial. A plataforma contribui para aumentar ainda mais os níveis de ansiedade e depressão do público.

O ranking, elaborado pelo Royal Society for Public Health, em colaboração com a Young Health Movement, indica que o Instagram é responsável por criar uma percepção errada do que deve ser a imagem corporal, prejudica a qualidade do sono e aumenta níveis de ansiedade no que diz respeito à ausência de eventos sociais (conhecido também como FOMO ou ‘fear of missing out’).

Apesar disto, o levantamento indicou também que a rede social tem algumas virtudes em relação a outras, permitindo aos seus usuários expressarem-se com mais liberdade e sentirem que fazem parte de uma verdadeira comunidade.